Document File 4: O Padrão de um Homem

AVISO – CONTÉM SPOILERS DE RESIDENT EVIL 7: BIOHAZARD.
Resident Evil 7: Biohazard Document File recolhe e detalha os passos iniciais do que conhecemos hoje como o sétimo game numerado da série, passando por todas as fases do desenvolvimento e decifrando os mistérios por trás de sua produção.
A documentação foi realizada por uma equipe externa, responsável por construir o relatório chamado Inside Report, que posteriormente foi traduzido pela Active Gaming Media e agora está sendo comercializado internacionalmente pela Play-asia. Essa é apenas uma tradução pessoal feita por Gabriel Camara (@carabina360), que pode conter interpretações e um certo nível de adaptação para a língua portuguesa, sendo uma versão não oficial do produto.

Após o time de Resident Evil 7 ser reunido, Tekeuchi queria passar a imagem de como a equipe deveria trabalhar. Em uma de suas primeiras reuniões, ele ficou de frente para seu time e disse as seguintes palavras:

Basicamente, eu sou a barreira. Se eu disser que algo está bom, está. Se eu disser que não, não está. Não se preocupe com o que a empresa ou qualquer outra pessoa disser. Em primeiro lugar, eu quero que você faça apenas o trabalho que é requisitado de ti.

O discurso não foi recebido da melhor forma possível, parecia duro demais, mas foi feito por uma boa razão. A maioria das companhias coleta dados com base no que os fãs pensam, em como eles se sentem, o que eles querem e como o mercado está no momento. Ainda por cima, a internet conseguiu expandir as capacidades de adquirir informação para uma escala absurda. No entanto, qualquer coisa que vier em resposta a esses dados será incapaz de superar as expectativas do consumidor, porque será baseado em algo já visto antes.

Takeuchi pensou na mesma coisa quando começou o desenvolvimento da RE Engine. Quando alguém tenta criar algo grande, a tendência é buscar a opinião de várias pessoas ao mesmo tempo. Entretanto, isso não traz necessariamente bons resultados. Ele já tinha a visão central do que RE7 seria. Tudo o que precisava fazer agora, era deixar com que a equipe implementasse essa visão.

Para transmitir sua visão central precisamente, Takeuchi utilizou sua energia para compartilhar o conceito de Resident Evil 7 com o resto do time. Ele acreditava que os funcionários deveriam ter a oportunidade de trabalhar independentemente, após entender o sentimento que o título deveria passar. Se alguém tivesse uma boa ideia, Takeuchi queria que essa pessoa tentasse tornar aquilo em realidade sem o medo de falhar. Após o processo de tentativa e erro, ele mandaria a equipe consertar quaisquer aspectos que estivessem desvirtuando do projeto.

Assumindo o manto da entidade em que todos poderia confiar ou contar com, Takeuchi era o pilar inabalável do time. Enquanto os funcionários lembrassem desse pilar, não tinha razões para pensar no resto da companhia ou em qualquer um que possa interferir. Para manter esse ambiente de trabalho, Takeuchi se fez a referência de cristicismos para o projeto, sendo o juiz que determinava se tudo estava de acordo com os padrões necessários.

E assim, a primeira tarefa passada para o time, foi criar um filme conceitual. Dois objetivos foram estabelecidos com essa ideia. O primeiro, era utilizar a produção daquele clipe para solidificar o conceito do jogo para a equipe. O outro, era usar a versão final desse filme para informar as pessoas de fora do time, sobre o tipo de Resident Evil que eles queriam fazer.

O “Production Studio 1”, que fica sob supervisão de Takeuchi, é um dos estúdios de produção da própria Capcom, porém, antes que a equipe pudesse começar a produção de qualquer coisa, eles precisavam passar por várias formas de aprovação estabelecidas pelo setor comercial. Naturalmente, eles teriam que fazer a equipe de negócios entender e aprovar o tipo de jogo que eles estavam tentando criar. E assim que isso acontecesse, a pequena quantidade de funcionários que já estava trabalhando no projeto, deveria ser complementada com uma expansão significativa. Com esse filme, eles poderiam transmitir o conceito para as adições futuras, sem perder o ritmo do desenvolvimento.

O núcleo do time não só falava sobre o tema, mas também, em algumas ocasiões, realizou expedições para casas mal-assombradas e ruínas com o propósito de estudar tais ambientes.

Quando Nakanishi começou a pedir aos outros membros para participar dessas expedições e testar sua coragem ao seu lado, Takeuchi começou a sentir que o projeto acabaria bem. Todo membro da equipe entendia o conceito do título e queria expandir essas ideias.  Esse era exatamente o tipo de time de desenvolvimento que Takeuchi queria.

Naquela época, dois anos haviam se passado após o lançamento de Resident Evil 6. Cada um tinha sua própria opinião sobre a franquia Resident Evil, e opiniões ainda mais fortes sobre o game que iria suceder RE6. Esses sentimentos foram libertos como se uma barragem tivesse sido estourada. Dando destaque para uma questão em particular, quando membros da equipe foram questionados sobre como era trabalhar com o jogo, praticamente todo mundo se divertia falando sobre a experiência de explorar ruínas e atividades parecidas.

O filme conceitual foi finalizado em um mês, especificamente, no final de março, em 2014.

Este clipe apresentava uma pessoa andando nos confins de uma casa estranha, criando tensão para um final com um susto abrupto. Ele não passava de três minutos de duração, mas eram três minutos nos quais os desenvolvedores colocaram a alma do projeto.

O que é horror? Basicamente, o filme que o time criou em cima da visão de Takeuchi.

O filme conceitual por trás de RE7

Se alguém que jogou a demo Beginning Hour assistir o clipe, provavelmente irá achar a estrutura da casa, o clima e sua atmosférica extremamente semelhantes. O filme conceitual foi produzido em março de 2014, porém o conceito de Resident Evil 7 já estava definido nos primeiros estágios de desenvolvimento. Este conceito, compartilhado uniformemente pela equipe, passou pelo teste do tempo graciosamente.

Mas a reação do setor de negócios não foi, de maneira alguma, completamente positiva. Um certo nível de preocupação e ansiedade era evidente. Você deve imaginar que, essa era a resposta esperada. Após demonstrar um conceito tão diferente do lançamento anterior, seria difícil não levantar questionamentos.

Mesmo assim, Takeuchi fez com que certos pontos ficassem bem claros na apresentação. Atributos online não eram necessários, nem o formato open-world. O conceito deveria ser simples, mas extremamente profundo. Se eles conseguissem criar algo verdadeiramente assustador, o resto iria vir naturalmente. Afinal, não era isso que o primeiro Resident Evil representava? Essa é a essência da franquia.

A convicção de Takeuchi provavelmente tocou o setor comercial. O projeto foi aprovado e RE7 seguiu para o próximo passo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s